sexta-feira, 22 de agosto de 2008

O QUE APRENDI COM OS CIGANOS

ORGULHAR-SE DE SOBREVIVER: SER IRMÃO DOS CIGANOS (*)



Aprendi o que é ser agredido por alguém a quem demos muito mais que tudo o que temos, alguém a quem demos o que somos, alguém a quem nos demos nós próprios. Mas aprender é valorizar-se, é tornar-se superior ao que se era. A experiência é a mestra da vida e quem a tem ganha a verdadeira sabedoria. Nunca me deprimiu ser agredido, nunca amuei nem sequer quando criança… E conheço tanta gente adulta que continua infantil sob este ponto de vista… Numa situação como tantas por que passei, que berreiro não fariam… Serenamente, rendo a minha homenagem aos irmãos ciganos que me ensinaram duas quadras, de autor desconhecido, retrato da vida deles e da minha. Cito de memória:


“Quanto mais tempo se passa
Mais queixas minh’alma tem,
Sempre a ser tão ofendida
Sem ofender a ninguém.”


E ainda:


“Quem aprendeu a viver
Como nós, vida tão dura,
Nem pode sorrir na glória
Nem chorar na desventura.”

_____

(*) Extraído do livro de Zé-Manel Polido: “Amor, Solidão e Fé”, Editora Luz da Vida (Rua Mário Pais, 16-0-A, 3000-268 Coimbra), Fevereiro 2004.
© Editora Luz da Vida, Lda.




(*) Extraído do livro de Zé-Manel Polido: “Amor, Solidão e Fé”, Editora Luz da Vida (Rua Mário Pais, 16-0-A, 3000-268 Coimbra), Fevereiro 2004.

© Editora Luz da Vida, Lda.

0 comentários: