quinta-feira, 18 de setembro de 2008

GOSTO DA VIDA! disse o cosmonauta Titov...

GOSTO DA VIDA! É PELA VIDA QUE VOU PARTIR! (*)

Inesquecível também uma outra lição vinda da Rússia, quando se iniciavam os voos espaciais tripulados.

O primeiro astronauta foi o russo Iuri Gagarine, que entrou para sempre na História ao dar uma volta à Terra em 108 minutos. A notícia colheu o Mundo de surpresa pois a viagem fora preparada no maior secretismo. O segundo, também russo, foi German Titov, que passou em órbita um dia inteiro e já foi autorizado a falar com jornalistas pouco antes da descolagem da nave. Pede-lhe um deles que resuma o que sente naquele instante. Os astronautas eram então “aves” muito raras, misto tão esquisito de atletas, heróis, engenheiros e suicidas que ninguém sabia o que pensavam, o que sonhavam, o que os movia.

Pois ele respondeu, directo e singelo, com uma síntese admirável do que faz ou deve fazer correr todos os cientistas, todos os pioneiros, todos os que, arrostando perigos da mais variada espécie, plenamente se entregam ao serviço do progresso e da Humanidade: – “Gosto da vida; é pela vida que vou partir!...”

Maravilhoso testemunho, quando li a reportagem não pude conter as lágrimas.

______

(*) Extraído do livro de Zé-Manel Polido: “Amor, Solidão e Fé”, Editora Luz da Vida (Rua Mário Pais, 16-0-A, 3000-268 Coimbra), Fevereiro 2004.

© Editora Luz da Vida, Lda.

3 comentários:

Anónimo disse...

RUMO ÀS ESTRELAS


Ulisses em Homero na Odisseia
sereias enfrentou e Polifemos
em vesos musicais que ainda hoje lemos
obrigatoriamente volta e meia.

Também Vergílio, retomando a ideia,
imaginou, conforme nós sabemos,
rochas moventes e ardis extremos
a fim de dar sentido à epopeia.

Nexte contexto, com igual intento,
não podia Camões deixar de pôr
no tormentoso cabo... o Adamastor.

Quando chegar a vez desse momento,
que tipo de mostrengos ou afins
terão de superar.... os Gagarins?...

João de Castro Nunes

Anónimo disse...

VOLTAR AO PARAÍSO


Talvez um dia o homem descontente
com a vida na Terra poluída
a troque por um sítio diferente
onde reconstruir a sua vida.

Mais próximo de Deus seguramente
e sob a sua paternal guarida,
em Marte, onde é propício o ambiente,
terá nova existência garantida.

Sem precisar de leis, em anarquia,
em liberdade física e mental,
outra será também sua moral:

nada de "excelentíssimo senhor"
nem presidente seja do que for
ainda que tão-só de freguesia!

João de Castro Nunes

Anónimo disse...

IR VIVENDO POR AMOR

Amor, tu continuas a viver
nos nossos filhos, netos e bisnetos,
os nossos descendentes mais directos,
bem como em mim, enquanto Deus quiser.

Só essa ideia me segura aqui
na firme convicção de ser assim,
ideia que somente há-de ter fim
quandu me aperceber de que morri.

Enquanto esse momento não chegar,
ir vivendo procuro, em minha dor,
de modo a não querê-la abreviar.

Embora isto pareça um disparate,
para que em mim tu vivas, meu amor,
dou cada dia à morte um xeque-mate!

João de Castro Nunes