terça-feira, 20 de julho de 2010

POBRES PROFESSORES DOUTORES!

Pobres professores do ensino superior!

Somos indiscutivelmente os trabalhadores mais mal pagos na relação salário dificuldade da carreira! E continuamos, masoquisticamente, dispostos a sacrifícios inúteis, improdutivos, ridículos.

Este cartaz nasceu por uma mensagem que, hoje, 20 de julho de 2010, acabo de receber de um colega por quem aliás tenho o maior respeito e a mais sincera admiração dado o seu curriculum científico e pedagógico. Mas a mensagem é a convocar-me para uma reunião a 3 de setembro - pasme-se! - para discutir a melhor maneira de apaparicarmos a caloirada que vai entrar na universidade no próximo ano!

Bom, não faço mais comentários! Vou transcrever a minha resposta ao colega:

++++++++++

Oh meu caro e prezado Colega:

Vamos ver se lhe consigo fazer chegar esta mensagem sem o magoar. Nós
portugueses, para nosso mal, somos uns vidrinhos, ofendemo-nos com um
mosquito, e eu, que vivi em 3 países ditos desenvolvidos, já me apercebi
que esta nossa hipersensibilidade é uma das razões pelas quais ninguém se
manifesta, ninguém dialoga, ninguém faz sugestões... e, portanto, nunca
passamos da cepa torta...

Vem isto a propósito da sua convocatória para uma reunião a 3 de setembro.
Como estou a trabalhar no duro e não vou fazer férias, por mim até podia
marcar a reunião para 15 de agosto, um dia que é feriado e é domingo!

Mas deixe-me fazer-lhe uma observação: há um ano, creio que também foi sua
a marcação de uma reunião qualquer para os primeiros dias de setembro, com
convocatória em julho; este ano a sua ‘’reincidência’’ leva-me a uma
pergunta: o que move o seu super zelo? Ainda não começaram as férias que,
na nossa profissão, ao contrário de todas as outras, nem podem ser
escolhidas por nós, e já está a lembrar-nos que temos de servir a Pátria,
''com coragem e valor'' logo a seguir a elas...

Olhe, estimado Colega por quem tenho a máxima consideração apesar de
discordar desta sua pressa: não ignore - eu sei que quem vive só na
Academia ignora muitas vezes o Mundo real, aquele que existe para além da
sala de aulas e das bibliotecas, em papel ou virtuais - não ignore que
nós, professores do ensino superior, estamos a ser profundamente
injustiçados e mal tratados
. Há aspetos que têm melhorado - isso é
indiscutível! São coisas que melhoraram com o nosso esforço e a nossa
iniciativa, o nosso voluntariado, em suma. Produzimos e organizamos mais a
nível científico e didático, trazemos mais prestígio para as nossas
instituições. Mas há outros aspetos em que estamos a andar para trás. Hoje
somos trabalhadores mal pagos. Não duvido: os mais mal pagos em relação às
dificuldades da carreira!
Compare com o que lhe cobra qualquer trabalhador
ou pequena empresa por reparar um cano, uma torneira ou uma tomada
elétrica, ou por lhe pintar uma parede ou desempenar uma porta! E na nossa
especialidade, Matemática, não temos sequer qualquer hipótese de obter
rendimentos extra nem, muito menos, sermos nós a fazer o preço pelo nosso
trabalho.

Ora Bolonha veio trazer, em Coimbra, um aumento enorme de trabalho
improdutivo para nós. Numa época, em que todos falam de produtividade! Por
exemplo: esta história da avaliação contínua. Já verifiquei que, na
Clássica de Lisboa, há gente que continua a fazer avaliação com um simples
exame final. Isto tudo é discutível, é verdade: eu, por exemplo, penso que
haver só um exame final estimula os alunos a aprenderem a ser responsáveis
e a gerir o seu tempo, uma competência mais valiosa para eles que saberem
o teorema de Pitágoras (o seu equivalente em espaços de Hilbert, claro)!
Os minitestezinhos só lhes prolongam a adolescência, para não dizer a
infância; e eu sei isso por experiência própria, pois o aprendi quando
tinha 14 anos e saí da infantilizante escola pública de então para uma
onde havia liberdade; e lá aprendi a saber usá-la e, consequentemente a ser
responsável.

Enfim, se leu até aqui, também já contribuí para delapidar um pouco do seu
tempo que podia ter usado em coisa mais produtiva que a ler o meu
escrito!!!

Um abraço de muita estima e consideração – apesar da discordância! – e
tenha umas boas férias. E no dia 1 de Setembro, quarta-feira, por favor
torne a mandar a convocatória para o dia 3, sexta-feira!

Renovados cumprimentos!

J. M. S. Simões Pereira
_____________________________________________
Visite o blogue: ze-manel-polido.blogspot.com

0 comentários: